Esta é a quarta edição do CONGRESSO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DA UFSCAR que tem como temática “Caminhos e descaminhos da Docência Universitária” . 

 

IV Congresso de Ensino de Graduação da UFSCar

O ensino, em qualquer etapa da vida escolar, constitui um grande desafio, o que não é diferente na docência universitária. Embora, aos olhos da sociedade, esta ocupe um lugar de destaque e respeito, ela representa o resultado de um longo caminho a ser trilhado por aqueles que decidem abraça-la por escolha pessoal ou porque a trajetória acadêmica assim tenha conduzido.

Ser docente universitário requer muito conhecimento sobre determinada área. Obtê-lo não é tarefa fácil. O trabalho acadêmico é árduo, exigente e muitas vezes penoso. Trata-se de uma trilha que, apesar de gloriosa, é permeada de obstáculos e descaminhos, entre os quais se encontram: a pressão das agências de fomento; a cobrança das instituições e programas por uma vasta gama de publicações a fim de manter elevadas as avaliações; a participação em inúmeros congressos, viagens e horas de estudo e pesquisa; o compromisso com investimento em projetos inovadores; o desestímulo do trabalho de pesquisa solitário; os desafios com questões pedagógicas a serem enfrentadas no dia a dia de ensino; a flexibilidade e o entendimento necessários para lidar com questões de diversidade cada vez mais presentes no meio universitário; a preservação da saúde mental de discentes e docentes diante das demandas acadêmicas; o desafio de se equilibrar entre ensino, pesquisa e extensão.

É necessário lembrar que o ensino é uma das bases do tripé que sustenta a academia. É em sala de aula e na atuação direta com os diferentes perfis de estudantes que o docente exercita alguns de seus principais papeis sociais – o de agente mediador na construção do conhecimento científico e o de facilitador no processo de aprendizagem, passível de transformar alunos em cidadãos conscientes, que por meio do pensar crítico e embasado, sejam capazes de modificar o mundo à sua volta. É o ensino que revela a face mais humana do fazer acadêmico.

Deste modo, a docência se traduz em um compromisso firmado com a ética, a técnica refletida, o agir responsável, o conhecimento fundamentado no saber teórico e empírico, a inclusão social, a liberdade por meio da educação. Tal conjunto de atribuições possibilita primeiramente a evolução científica e tecnológica da sociedade como um todo e permite romper com as barreiras impostas pela obsolescência, pela exclusão, pela desigualdade de oportunidades, pela intolerância, pelo preconceito, pela falta de diálogo, pelo autoritarismo.

Em um contexto no qual a educação é colocada constantemente à prova, subjugando a relevância de seu indiscutível poder transformador, é imprescindível e urgente que se reflita sobre o status e futuro da profissão docente.

Nesse sentido, o ConEGrad configura um convite à reflexão sobre esses, que podemos chamar caminhos e descaminhos da docência, valendo-se da troca de experiências e do intercâmbio de idéias sobre as práticas pedagógicas a fim de aprimorá-las e adaptá-las às necessidades impostas pelo cotidiano da profissão, bem como pelo momento presente, com base no aprofundamento das reflexões sobre o tema.                                                                                         

Camila Silveira




Organização: